Luciana Portinho critica FCJOL, mas esquece do passado.



A ex-presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima, Luciana Portinho teve os bens seqüestrados e ficou foragida durante a operação “Telhado de Vidro”, conforme nota da assessoria da PF publicado no blog do Ricardo André Vasconcellos (aqui).

Em postagem publicada em seu blog na tarde desta segunda-feira (14), ela de forma tendenciosa, escreve: “Mais um escândalo da PMCG na cultura” no que se refere à licitação da curadoria da 8º Bienal do Livro, que será realizada no mês de Maio, ressaltando que a programação estaria comprometida tendo em vista que o certame será no dia 05 de Maio. Mas a assessoria da Prefeitura de Campos, disse que a licitação não comprometerá a Bienal, que este ano tem apoio da Associação de Imprensa Campista e da Academia Brasileira de Letras, além das Academias Pedralva e Campista de Letras.

Luciana tenta criticar a atual gestão,  mas esquece que foi presidente da Fundação, durante a operação “Telhado de Vidro” que “Por meio de monitoramento telefônico e de documentos obtidos durante as investigações foram confirmadas a existência de direcionamento de diversas licitações no município e superfaturamento de shows.

Vamos aos números:

 O show de “Jamil e uma noites” , dia 12 de janeiro no Farol, custou ao povo de Campos R$ 164.600,00 e, da mesma forma, em duas faturas de R$ 82.300,00. (com informações do blog Urgente do jornalista Vitor Menezes (aqui).

O jornal que hospeda o blog da ex- presidente, publicou diversas matérias criticando a contratação do show no governo da Prefeita Rosinha Garotinho. No Réveillon - onde os valores dos cachês são dobrados - deste ano a apresentação custou R$ 193 mil.

Em Fevereiro de 2007, o grupo Harmonia do Samba, recebeu R$ 95 mil da empresa Jakimow Empreendimentos Artísticos - empresa contratada pela presidente da FCJOL, Luciana Portinho para intermediar a contratação de shows -, pelo show realizado no bairro Jockey. Este ano, a gestão da presidente da FCJOL, Patrícia Cordeiro pagou R$ 90 mil.


Também em 2008, o show da cantora Alcione, na Festa de Santo Amaro, custou R$ 188 mil reais, a mesma contratação feita pela gestão atual sofreu criticas quanto á R$116 mil pagos referentes à apresentação da Marron na Festa de São Sebastião em Janeiro deste ano. 

Sem comentários:

Enviar um comentário