Dilma defende ajuste econômico para manter programas sociais

  


A presidenta Dilma Rousseff defendeu nesta sexta-feira (06) as medidas de ajuste ajuste econômico do governo e disse que o Brasil entra, a partir de agora, em uma nova fase de enfrentamento da crise. Segundo Dilma, diferentes medidas serão necessárias para ultrapassar a etapa atual, e os ajustes têm o objetivo de manter programas sociais, emprego e renda.

Segundo a presidenta, nesta fase, várias medidas diferentes serão necessárias. “Uma nova trajetória [é necessária] para que possamos crescer. Não é que queiramos voltar atrás, [voltar] para algum outro momento. Não. Queremos melhorar ainda mais o que já conquistamos. Por isso, é que estamos fazendo essas correções e esses ajustes”, disse Dilma, após se referir à crise financeira internacional de 2008.

“Estamos fazendo um imenso esforço para que o Brasil continue fazendo programas sociais, mas também amplie os investimentos, tenha uma economia próspera e continue gerando emprego e renda para toda a população. Esse esforço passa por correções, mas as correções não são um fim em si mesmas. São para garantir programas como esses que fazemos”, acrescentou Dilma.

As declarações foram feitas em discurso na cerimônia de entrega de unidades habitacionais do Programa Minha Casa, Minha Vida, em Araguari, Minas Gerais. A presidenta disse também que a terceira etapa do programa terá a meta de contratar mais 3 milhões de moradias até o final de 2018. “Com isso, vamos chegar bem perto de uma perspectiva de solucionar integralmente a questão de habitação em faixas de renda mais baixas.”

Em Araguari, a presidenta entregou as chaves de unidades habitacionais do Residencial Bela Suíça II. Serão entregues também moradias no Residencial Bela Suíça III. No total, serão 1.472 unidades. As casas têm área privativa de 44,77 metros quadrados, dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço.

Sem comentários:

Enviar um comentário